sexta-feira, 14 de novembro de 2008

Eu acredito



Eu acredito em tudo que vejo,
em tudo que sinto
Eu acredito que existem ilusoes,
que existem verdades
Eu acredito em dor,
em paz,
em tudo que tenho

Eu acredito no que eu sinto
dizem que Deus é como o vento
você não pode vê-lo mas pode senti-lo
eu não sinto Deus,
Eu acredito no caos,
no destino
Eu acredito na vida,
na morte

Eu acredito no amor,
na loucura
Eu acredito na sombra,
na luz
Eu acredito no seu toque,
nos seus olhos

Eu acredito em tudo que tenho
sempre podemos contar com amigos
mas nunca podemos esperar
que eles nos entendam

Eu acredito em mim
na tristesa,
na alegria,
nas lágrimas que escondo,
no sorrizo que revelo

Eu acredito no tempo,
no espaço,
no momento

Eu acredito na companhia da solidão,
nos versos calados do silêncio,
no sentimento imune a razão
De uma esperança tola e vão

Eu acredito que quero mudar,
mas não quero faze-lo sozinho
Eu acredito que pessoas querem me ajudar
mas apenas quero uma
Eu acredito que não há motivos para nada
mas sinto-me feliz em criar os meus próprios
Eu acredito nestes versos que escrevo
mas acredito mais ainda nos que escondo

Eu acredito em toda loucura
das viajens da minha mente
eu acredito que são mais reais
do que a realidade que vivo

Eu acredito na minha dor de cabeça
no meu sono e indisposição
Eu acredito no céu azul
nas nuvens cinzas
Eu acredito no sol,
nos pássaros e seus cantos
Eu acredito na música que eu ouço,
no "Bom dia" do meu sobrinho

Eu acredito e vivo
Vivo acreditando no que sinto
e sinto você

Um comentário:

Marcia Silva disse...

Saudações!! Adorei seu blog!! O poema é belíssimo!... Eu acredito no que posso ver e sentir!... Beijos e um ótimo domingo!!